INOVAR NO ENSINO DA LÍNGUA: A CONSTRUÇÃO DE UMA RELAÇÃO POSITIVA COM A ESCRITA

  • Maria Inês Cardoso Universidade de Aveiro
  • Luísa Álvares Pereira Universidade de Aveiro
Palavras-chave: Didáctica da Escrita, actuação pedagógico-didáctica, escrita multifuncional

Resumo

Investigações sobre as representações, opiniões, atitudes dos alunos no sentido de perceber a sua relação com a escrita denunciam uma concepção dual da mesma: uma escrita escolar – obrigação enfadonha e sem sentido, paralelamente a uma escrita extra-escolar – fértil, sem constrangimentos. A nossa hipótese é a de que o conhecimento da relação dos alunos com a escrita escolar e extra-escolar (concretamente dos textos produzidos pelos alunos fora da escola) sugerirá pistas determinantes para a (re)conceptualização do campo da Didáctica da Escrita bem como para a actuação pedagógico-didáctica nos 2º e 3º ciclos do Ensino Básico, visando a construção de uma relação pessoal positiva com uma escrita multifuncional cheia de sentido.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AMOR, E. (2003). Didáctica do Português. Fundamentos e Metodologia. (“Educação hoje”). 6ª edição. Lisboa: Texto Editora.

AMOR, E. (2004). LITTERA – Escrita, Reescrita, Avaliação. Um projecto integrado de ensino e aprendizagem do Português. Para a construção de uma alternativa viável. (“Textos de Educação”). Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian. Serviço de Educação e Bolsas.

BARRÉ-DE MINIAC, C. (1999). « La notion de rapport à l’écriture et son usage en Didactique » in SEQUEIRA, F.,

BRANDÃO, J. A. e GOMES, A. (Orgs.). Ensinar a Escrever. Teoria e Prática. Lisboa: Instituto de Educação e Psicologia.

BARRÉ-DE MINIAC, C., (2000). Le rapport à l’écriture: aspects théoriques et didactiques (« Savoirs mieux »). Villeneuve d’Ascq (Nord) : Presses Universitaires du Septentrion, s.d..

BARRE-DE MINIAC, C. (éd.) (1996). Vers une didactique de l'écriture: pour une approche pluridisciplinaire. (« Pratiques pedagogiques”). Paris : De Boeck.

BRONCKART, J. (1996). Activité langagière, textes et discours. Pour un interactionisme socio-discursif. (« Sciences des discours »). Paris : Delachaux et Niestlé.

BUCHETON, D., (dir.), (1998). Conduites d’écriture, au collége et au lycée professionnel. (« Documents actes et rapports pour l'éducation »). Versailles: CRDP de l'Académie de Versailles.

CAMPS, A. (2003). “O ensino e a aprendizagem da composição escrita.” in C. LOMAS, O Valor das Palavras. Porto: Edições Asa.

CHARLOT, B. (2000). Da relação com o saber. Elementos para uma teoria. (“Fundamentos da Educação”). Porto Alegre: Artmed Editora.

CHARLOT, B., (coord.) (2001). Os Jovens e o saber. Perspectivas mundiais. (“Fundamentos da Educação”). Porto Alegre: Artmed Editora.

DIMENSTEIN, G. e ALVES, R. (2004). Fomos maus alunos. 6ª ed. Campinas: Papirus Editora.

FONSECA, J. (1988-1989). “Ensino da Língua Materna como pedagogia dos discursos” in Diacrítica nº 3-4. Minho: Universidade do Minho.

GALAME-GIPPET, F & PENLOUP, M. (2003). « Normes et variations dans les écritures privées à l’école et au lycée ». Le Français Aujourd’hui – Les langues des élèves, 143. Paris.

HAYES, J. R., (2000), “A new framework for understanding cognition and affect in writing”, in LEVY, C. M.,

RANDSDELL, (ed.), The Science of Writing. Theories, Methods, Individual Differences and Applications. New Jersey: Lawrence Associates, Publishers.

HAYES, J. R., FLOWER, L. (1980). “Identifying the organization of writing processes”, in GREGG, W., e STEINBERG, E., Cognitive processes in writing. Hillsdale, New Jersey: Lawrence Eribaum Associates Publishers.

LAHIRE, B. (1993). Culture écrite et inégalités scolaires. Sociologie de “ l’échec scolaire” à l’école primaire. Lyon: Presses Universitaires de Lyon.

PEDRAS, M. F. C. (2002). A escrita telemática síncrona. Características e implicações para o ensino-aprendizagem do Português. (Dissertação de Mestrado em Educação, Especialidade em Supervisão Pedagógica do Ensino do Português). Braga: Instituto de Educação e Psicologia, Universidade do Minho.

PENLOUP, M.-C. (1999). L'écriture extrascolaire des collégiens : des constats aux perspectives didactiques. (“Didactique du français”). Paris: ESF.

PEREIRA, L. A. (2001). “Os excluídos da Escrita Escolar. Outras razões para o João(zinho) (não) saber escrever”. Educação, Sociedade e Culturas nº 15. Edições Afrontamento.

PEREIRA, M. L. A. (2000). Escrever em Português: Didácticas e Práticas. (“Horizontes da didáctica”). Porto: Ed. Asa.

PEREIRA, M. L. Á. (2002). Das palavras aos actos: ensaios sobre a escrita na escola. (“Temas de investigação”). Lisboa: Instituto de Inovação Educacional.

REPERES (2002). Pratiques extra-scolaires de lecture et écriture des élèves. Paris: Institut National de Recherche Pédagogique, n.º 23.

REUTER, Y. (2004). “Analyser la discipline: quelques propositions”. La lettre de l’Association, 35. Villeneuve d’Ascq: Association internationale pour la Recherche en Didactique du Français.

SANTANA, I. (2003). “A construção social da aprendizagem da escrita” in Revista do Movimento da Escola Moderna nº 19.

SAWAYA, S. M. (2005). “Práticas de leitura e de escrita entre as crianças na pobreza urbana.” (http://www.hottopos.com/videtur18/sandra.htm) (consultado no dia 05/01/2005).

VYGOTSKY, Lev. S. (1979). Pensamento e Linguagem (trad. port. de Thought and Language, M. I. T.). Lisboa: Edições Antídoto.
Publicado
2018-08-22
Como Citar
Cardoso, M., & Pereira, L. (2018). INOVAR NO ENSINO DA LÍNGUA: A CONSTRUÇÃO DE UMA RELAÇÃO POSITIVA COM A ESCRITA. Revista Órbita Pedagógica. ISSN 2409-0131, 1(2), 29-46. Obtido de http://revista.isced-hbo.ed.ao/rop/index.php/ROP/article/view/12
Secção
Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo (s) autor (es)