A IMPORTÂNCIA DO TRABALHO COLABORATIVO NA FORMAÇÃO CONTÍNUA DE DOCENTES DO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO DA ESCOLA SUPERIOR PEDAGÓGICA DO BIÉ

  • Arão Chilulo Cutatela Escola Superior Pedagógica do Bié
Palavras-chave: Formação Contínua de Professores, Trabalho colaborativo, Processo de Ensino-Aprendizagem

Resumo

O artigo tem como objectivo “Valorizar o trabalho colaborativo na formação contínua de docentes do Departamento de Ciências da Educação na Escola Superior Pedagógica do Bié”. O esboço teórico está dividido em dois subcapítulos, cuja base aponta para a teorização sobre trabalho colaborativo a sua dimensão mais ampla na formação contínua de professores. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Alarcão, I., & Roldão, M. d. (2008). Supervisão: Um contexto de desenvolvimento Profissional dos professores . Portugal: Edições Pedago;

Boavida, A. M. & Ponte, J. P. (2002). Investigação colaborativa: potencialidades e problemas. Em GTI (Org.), Reflectir e investigar sobre a prática profissional. Lisboa: APM.

Buza, A. G. (2012). Por um Ensino Superior de Qualidade nos Países de Lingua Portuguesa. [2º - Fórum da Gestão do Ensino Superior nos Paises e Regioões de Lingua Portuguesa (FORGES)]. Macau: Isntituto de Macau;

Canário, R. (1991): Mudar as Escolas: o Papel da Formação e da Pesquisa. Lisboa: Instituto de Inovação Educacional;

Diaz, B. (2008). Estratégias de Ensino Aprendizagem. 29ª ed. Vozes;
Freitas, M.T. de A. (19997). Nos textos de Bakhtin e Vygotsky: um encontro possível. Em: Brait B. Bakhtin, dialogismo e construção do sentido. Campinas Editora Unicamp;

Filho, A. P. (2010). Diferentes concepções teóricas sobre a formação de professores - formação inicial e contínua (Jurisway). Disponível em www.jurisway.org.br/v2/dhall.asp?id_dh=4462 e acedido, aos 16 de Junho de 2014, pp. 2;

Fróis M. H. F. G. (1996).Desenvolvimento Profissional dos Professores e Qualidade de Ensino. Faculdade de Ciências Humanas [dissertação apresentada a Faculdade de Ciências Humanas tendo em vista a obtenção do Grau de Mestre];

Grande, D. (2014). Língua Portuguesa. Porto: Porto Editora;

Hargreaves, A. (1998). Os professores em tempos de mudança. Lisboa: Mc Graw-Hill.

Marçal L. L. (2012). A formação inicial dos educadores: professores e professoras. Achada António: Cabo Verde;

Moraes, M. C; Pacheco A. J & Envagelista, M. O, (orgs.) (2003). Formação de Professores: Perspectivas educacionais e curriculares. Porto. Porto Editora p. 111-139,

Nóvoa, A. (s/d) Para uma formação de professores construida dentro da profissão. Obtido de Universidade de Lisboa. Lisboa. Portugal: http://www.ulisboa.pt aos 20 de Agosto de 2018).

Nóvoa, A. (1992). Os Professores e a sua Formação. Lisboa, Dom Quixote;

Pacheco J. A & Oliveira M. R. N.S. (orgs.). (2013). Currículo, Didáctica e Formação de Professores, 1ª ed. Campinas: SP;

Pimenta, S. G. & Anastasiou, L. (org.) (2002). Docência no Ensino Superior. São Paulo: Cortez Editora;

Pires, M. C. L. (2012). Necessidades de formação dos professores nos Cursos de Educação e Formação. [Dissertação apresentada a Universidade de Lisboa tendo em vista a obtenção do grau de mestre]. Lisboa: Universitas editora;

Ponte, J. P. & Serrazina, M. L. (2003). Professores e formadores investigam a sua própria prática. Zetetiké, 11 (20), 51-84. Retirado a 15 de Agosto, 2018, em http://repositorio.ul.pt/bitstream/10451/3992/1/03-Ponte-Serrazina%20%28Zetetike%29.pdf.

Ramalho, B. L. (2006). Reflexões sobre o ensino e o exercício da docência no Ensino Superior. ForGRAD em Revista, nº. 1, p. 4 - 39;

Rivas, N. P; Conte, K. M. (USP/FFCLRP-GEPEFE); AGUILAR, G. M. (2007). Novos Espaços Formativos na Universidade: Desafios e Perspectivas para a Docência Superior. SP/Brasil p. 3-7;

Rodrigues, Â &. Esteves, M. (1993). A análise de necessidades na formação de professores. Porto: Porto Editora, pp.44-45;

Roldão, M. C. (2007). Trabalho colaborativo de professores. Noesis, I, 71, 24-29.

Teixeira, J. P. M (2012). O trabalho colaborativo e o desenvolvimento profissional do professor de matemática. (Trabalho de projeto de Mestrado em Supervisão Pedagógica e Formação de Formadores, pela Escola Superior de Educação Almeida Garrett). Lisboa;

Silva, E. (2015). Supervisão em Colaboração: Oficina de Formação. Caderno Pedagógico, pp. 1-27.

Schön, D. (2001). Formar professores como profissionais reflexivos. Em A. Nóvoa (Ed.), Os professores e a sua formação. Lisboa: Dom Quixote

UNESCO. (1999). Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura, exposto em www.unesco.org.br, e extraído aos 15 de Agosto de 2014, pp. 11-24;

Zabalza, M. (1990). Planificação e desenvolvimento curricular na Escola. Rio Tinto: edições Asa;

Zeichner, K. M. (1993). A Formação Reflexiva de Professores: Ideias e práticas. Lisboa: Educa;
Referência legislativa:

ESP-Bié. (2012). Plano de Desenvolvimento Institucional da Escola Superior Pedagógica do Bié. (2012). Kuito-Bié: Angola p. 2;

ANGOLA, Ministério do Ensino Superior. (2013) Plano Nacional de Formação de Quadros (PNFQ). Luanda: Angola;

Decreto-lei n.º 191/18 de 8 de Agosto: Aprova o Estatuto da Carreira Docente do Ensino Superior – Revoga toda a legislação que contrarie o disposto no presente diploma, nomeadamente o Decreto n.º 3/95, de 24 de Março. Luanda: Angola;

Decreto-lei n.º 17/16 de 7 de Outubro: Aprova a Lei de Bases do Sistema de Educação e Ensino, que estabelece os princípios e as bases gerais do Sistema de Educação e Ensino – Revoga a Lei n.º 13 de 31 de Dezembro e toda a legislação que contrarie o disposto na presente Lei.
Publicado
2018-09-25
Como Citar
Cutatela, A. (2018). A IMPORTÂNCIA DO TRABALHO COLABORATIVO NA FORMAÇÃO CONTÍNUA DE DOCENTES DO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO DA ESCOLA SUPERIOR PEDAGÓGICA DO BIÉ. Revista Órbita Pedagógica, 5(3), 12-23. Obtido de http://revista.isced-hbo.ed.ao/rop/index.php/ROP/article/view/182
Secção
Artigos