ANGOLA E OS DESAFIOS SOCIAIS DA GLOBALIZAÇÃO, DIREITOS HUMANOS, EDUCAÇÃO E DEMOCRACIA

  • Alfredo Vieira Instituto Superior de Ciências de Educação do Huambo
Palavras-chave: globalização, direitos, educação, democracia

Resumo

O mundo hodierno é aberto, multicultural, de ciência, interdisciplinar, de tecnologias…, enfim, preocupante por causa de ter sempre novos desafios. Um mundo que está sempre em crescimento e em transformação. As pessoas também são, por isso mesmo, sempre mais desafiadas. Um mundo que se torna pequeno por causa da globalização, luta pelos direitos do homem, valorização daquilo que é particular, de preocupação com o conhecer cada vez melhor e primeiro as coisas, etc. Tendo em conta este pano de fundo, quiz-se fazer uma reflexão e estudo sobre o tema “ANGOLA E OS DESAFIOS SOCIAIS DA GLOBALIZAÇÃO, DIREITOS HUMANOS, EDUCAÇÃO E DEMOCRACIA”. Procurou-se mostrar o que é tal realidade, mostrando as vozes mais autorizadas e, diga-se também, ver as implicações de tudo isto na vida de quem tem uma missão específica na sociedade, justamente a de ser seu educador. Já que o professor não deve estar à margem de tudo isto (como seria se o professor não estivesse dentro de tudo o que esta realidade significa?), ele deve inteirar-se da realidade que o circunda para dentro deste ambiente exercer o seu papel. Portanto, em linhas gerais, apontam-se dados que facilitam a sua compreensão vivencial para que o seu papel seja aquele da expectativa da sociedade: verdadeiro construtor da Angola do amanhã.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BOBBIO N., Matteucci N. e Pasquino G. (2004). Dicionário de política. (12ª ed). Vol. I. trad. port. Carmen C. Varriale et al. Brasilia: UnB e LGE, Brasilia.

BONANATE L. & PAPINI R. (2008). Dialogo interculturale e diritti umani. A Dichiarazione Universale dei Diritti Umani. Genesi, evoluzione e problemi odierni (1948-2008). Bologna: Il Mulino.

BUONOMO V. (1997). I diritti umani nelle relazioni internazionali. La normativa e la prassi delle Nazione Unite, Mursia: Pontificia Università Lateranense.

CARRIER H. (1997). Dizionario della Cultura. Per l’analisi culturale e l’inculturazione. Vaticano: Libreria Editrice Vaticana.

CASTIGNONE S. (1993). Diritti degli animali. In Enciclopedia delle scienze sociali. vol 3. Roma: Istituto della Enciclopedia Italiana.

CESAREO V. (1997). La società della globalizzazione: regole sociale e soggettività. Studi di Sociologia 3-4, Anno XXXV (luglio-Dicembre 1997), 249-284.

COMPAGNONI F. (1995). I diritti dell’uomo. Genesi, storia e impegno cristiano. Ciniselo: S. Paolo.

CONCILIO VATICANO II. (2000). Constituição Pastoral Gaudium et Spes. In Compêndio do Vaticano II, Constituições. Decretos. Declarações. (29ª ed). Petrópolis: Vozes.

CONCILIO VATICANO II. (2000). Declaração Dignitatis Humanae. In Compêndio do Vaticano II, Constituições. Decretos. Declarações. (29ª ed). Petrópolis: Vozes.

CORREIA, P. de Pezarat. (1991). Descolonização de Angola – A Jóia da Coroa do Império Colonial Português. Lisboa: Editorial Inquérito Mem Martins.

DE ANDRADE, V.P. (2009). Globalização e crise internacional. Implicações regionais.Revista Angolana de Sociologia -RAS 3 (Junho 2009), 103-118.

DELORS J. (1997). Nell’educazione un tesoro, Roma: Armando Editore.

ESPIRITO SANTO F. (2000). História recente da educação em Angola. In CEAST. Semana Social Nacional 99, Educação para uma cultura de paz (pp. 155-169). Luanda: Edição da CEAST.

GINER S. (1998). Cartas sobre la democracia, Barcelona: Editorial Ariel. trad. it. Le ragioni della democrazia. Roma-Bari: Laterza.

HENKIN L. (1993). Diritti dell’uomo. In Enciclopedia delle scienze sociali. vol 3. Roma: Istituto della Enciclopedia Italiana.

ANGOLA. INSTITUTO NACIONAL DE ESTATÍSTICA –INE (Governo de Angola). (2016). Resultados definitivos. Recenseamento geral da população e habitação -2014. Luanda.

ANGOLA. MINISTÉRIO DO ENSINO SUPERIOR (República de Angola). (2016). Anuário estatístico do Ensino Superior 2016. Luanda: Edição do Ministério do Ensino Superior de Angola.

MIRABELLA P. (3009). L’uomo e i suoi diritti: una riflessione etica a partire dalla Dichiarazione Universale dei Diritti dell’Uomo Cantalupa: Effatà.

MONGARDINI C. (2002). Ripensare la democrazia. La politica in un regime di massa. Milano: Franco Angeli.

MOYO D. (2010). La carità che uccide. Come gli aiuti dell’Occidente stanno devastando il Terzo Mondo. Milano: Rizzoli.

[OUA] Carta Africana dos Direitos do Homem e dos Povos (Carta de Banjul), 1981.

PACHECO C. (2010). Angola um gigante com pés de barro e outras reflexões sobre a África e o mundo. Lisboa: Vega.

PALANQUE L. (2010). Angola un paese favoloso. (4ª ed). Roma: Edizione del autore.

PAOLO VI (1967). Populorum Progressio. Vaticano: LEV

PIMENTA C. (2009). Continuidade, metamorfose ou fim da globalização?.Revista Angolana de Sociologia -RAS 3 (Junho 2009), 91-102.

PNUD. (2005). Relatório de Desenvolvimento Humano 2005. Lisboa: Unipessoal Luanda.

PONTIFÍCIO CONSELHO “JUSTIÇA E PAZ”. (2004) Compêndio de Doutrina Social da Igreja. Vaticano: LEV.

REPÚBLICA DE ANGOLA. (2010). Constituição da República de Angola – 2010, Luanda: Imprensa Nacional.

ROBERTSON R. (1995).Glocalization: time-space and homogeneity – heterogeneity. In M. Featherstone, S. Lash & R. Robertson (edited by), Global Modernities. London: SAGE Publications Ltd.

SACHS W. & SANTARIUS T. (2007). Un futuro justo. Recursos limitados y justicia global. Barcelona: IntermónOxfam.

SANTOS B. de S. (2002). Para uma sociologia das ausências e uma sociologia das emergências. Revista crítica de Ciências Sociais 63 (Outubro 2002), 237-280.

TOFFLER A. (1997). A terceira onda. (18.ª ed). trad. João Távora. Rio de Janeiro: Record.

TORRES C.A. (2003). Política para a educação de adultos e globalização.Curriculo sem Fronteiras. v.3, n.2 (Jul/Dez 2003), 60-69.

TOURAINE A. (2006). Na fronteira dos movimentos sociais. Sociedade e Estado, Brasilia. v.21, n.1 (Jan/Abr 2006), 17-28.

UNITED NATIONS, Declaração Universal dos Direitos Humanos, versão electrónica https://www.ohchr.org/EN/UDHR/Pages/Language.aspx?LangID=por

VALENZUELA E. (adapt) (sd). Direitos humanos. (3ª ed). Luanda: Edições Dom Bosco.

[VATICANO]. (2005). Compêndio do Catecismo da Igreja Católica. Vaticano: LEV.

YÁÑEZ C.J.N. (1997). Globalização e localismo: novas oportunidades para o desenvolvimento.Analise social, vol. XXXII (1997), 901-912.

BUONOMO V. (2010). L’azione della comunità internazionale per la difesa e la promozione dei diritti umani. Palestra dada no dia 19 de Novembro de 2010 no Curso Interuniversitário “La globalizzazione, la crisi e i diritti economici e sociali”, ministrado na Pontificia Università San Tommaso D’Aquino (Angelicum) Roma.

COMPAGNONI, F. (2010). Diritti umani e diritti economici e sociale: che cosa sono e che cosa non sono, Palestra dada no dia 19 de Novembro de 2010 no Curso Interuniversitário “La globalizzazione, la crisi e i diritti economici e sociali”, ministrado na Pontificia Università San Tommaso D’Aquino (Angelicum). Roma.

MARTIRANO M. (2011). La giustizia come equità, Conferência realizada aos 20.01.2011, no âmbito do Curso Interuniversitário “La Globalizzazione, la crisi e i diritti economici e sociali”, ministrado na Pontificia Università San Tommaso D’Aquino (Angelicum). Roma.

MCKEEVER M. (2010). Lo sviluppo sostenibile: tra diritti sociali e realpolitik, Conferência realizada aos 02.12.2010, no âmbito do Curso Interuniversitário “La Globalizzazione, la crisi e i diritti economici e sociali”, ministrado na Pontificia Università San Tommaso D’Aquino (Angelicum). Roma.

PAPINI R. (2010). La globalizzazione, tra vecchi e nuovi diritti, Palestra dada no dia 25 de Novembro de 2010 no Curso Interuniversitário “La globalizzazione, la crisi e i diritti economici e sociali”, ministrado na Pontificia Università San Tommaso D’Aquino (Angelicum). Roma.
Publicado
2018-10-06
Como Citar
Vieira, A. (2018). ANGOLA E OS DESAFIOS SOCIAIS DA GLOBALIZAÇÃO, DIREITOS HUMANOS, EDUCAÇÃO E DEMOCRACIA. Revista Órbita Pedagógica, 6(1), 04-16. Obtido de http://revista.isced-hbo.ed.ao/rop/index.php/ROP/article/view/196
Secção
Artigos