HETEROGENEIDADE LINGUÍSTICO-CULTURAL EM SALA DE AULAS: COMPETÊNCIAS DIDÁCTICAS NECESSÁRIAS AO PROFESSOR DE PORTUGUÊS EM ANGOLA

  • Bernardino Valente Calossa Universidade Lueji A’Nkonde
Palavras-chave: multiculturalidade, ensino e aprendizagem do português, competências linguísticas

Resumo

O Português, enquanto língua oficial de Angola, coabita com, pelo menos, nove línguas nativas, cada uma com as respectivas variantes, faladas por diferentes grupos étnico-culturais, distribuídos por todo o país. Como consequência, e tendo em conta que a maior parte dos falantes o têm como língua segunda, ele adquiriu características próprias, diferentes, em muitos aspectos, da variedade europeia, tida até hoje, nesse território, como padrão. Desta forma, o que se apresenta neste artigo são metodologias que têm sido utilizadas em contexto de sala de aula, bem como outras que são sugeridas por autores que se debruçam sobre as exigências formativas do professor em sociedades multiculturais, com especial destaque para a intermediação do diálogo intercultural.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Abrantes, M. A. (2006). Educação intercultural : Estudo exploratório em escolas do 1º ciclo do ensino básico. Dissertação de Mestrado. Covilhã: Univerdade da Beira Interior.

Adriano, P. S. (2014). Tratamento morfossintáctico de expressões e estruturas frásicas do portugues de Angola: divergencias em relação a norma padrão. Tese de Doutoramento. Evora: Universidade de Evora.

Almeida, L., & Flores, C. (2017). “Bilinguismo”. Em M. J. Freitas, & A. L. Santos, Aquisição de língua materna e não materna: questões gerais e dados do portugues (pp. 275-304). Berlin: Language Science Press.

Bizarro, R., & Braga, F. (2004). “Educação intercultural, competencia plurilingue e competencia pluricultural: novos desafios para a formação de professores de línguas estrangeiras”. Em FLUP, Estudos em homenagem ao Professor Doutor António Ferreira de Brito (pp. 57-70). Porto : Universidade do Porto. Faculdade de Letras.

Calossa, B. V. (2016). A Postura do Professor de Língua Portuguesa: entre a norma padrão e a variedade angolana. Monografia de Licenciatura. Lubango: ISCED da Huíla.

Carvalho, J. A. (2013). “Didática do Português Língua Não Materna - Língua Segunda/Língua Estrangeira –entre a generalização e a especificação”. Em R. Bizarro, M. Moreira, & C. Flores, Português Língua Não Materna: Investigação e Ensino (pp. 146 - 154). Lisboa: Lidel.

Ceita, C. – Dir. (2006). Resultados definitivos do Recenseamento geral da população e habitação – 2014. Luanda: Instituto Nacional de Estatística.

Daniel, H. (2017). Interculturalismo: Factor de Aprendizagem do Portugues Língua Segunda - Lingua Estrangeira em Luanda. Dissertação de Mestrado. Lisboa: FCSH: Universidade Nova de Lisboa .

Fernandes, J. & Ntodo, Z. (2002). Angola: povos e línguas. Luanda: Editorial Nzila

Inverno, L. (2004). “O portugues vernáculo do Brasil e o portugues vernáculo de Angola: reestruturação parcial vs mudança lingüística”. Em M. Fernandez, M. Fernandez-Ferreiro, & N. Veiga, Los Criollos de Base Ibérica (pp. 201-2014). Madrid: Iberoamericana/Frankfurt.

Madeira, A. (2017). “Aquisição da língua não materna”. Em M. J. Freitas, & A. L. Santos, Aquisição de língua materna e não materna: questões gerais e dados do portugues (pp.305-330). Berlin: Language Science Press.

Marques, I. G. (1985). “Algumas considerações sobre a problemática linguística de Angola”. Congresso Sobre a Situação Actual da Lingua Portuguesa no Mundo (pp. 205 - 224). Lisboa: ICELP.

Silva, A. C. (2008). As configurações do ensino da gramática em manuais escolares de portugues. Braga: Universidade do Minho.
Publicado
2019-01-09
Como Citar
Calossa, B. (2019). HETEROGENEIDADE LINGUÍSTICO-CULTURAL EM SALA DE AULAS: COMPETÊNCIAS DIDÁCTICAS NECESSÁRIAS AO PROFESSOR DE PORTUGUÊS EM ANGOLA. Revista Órbita Pedagógica, 6(1), 113-121. Obtido de http://revista.isced-hbo.ed.ao/rop/index.php/ROP/article/view/220
Secção
Artigos