A INFLUÊNCIA DAS TAXAS DE JURO E DE INFLAÇÃO NO COMPORTAMENTO DO CONSUMO: UMA ANÁLISE DO CONSUMO DAS FAMÍLIAS EM ANGOLA

  • Mbahú Isaac Cainda Faculdade de Economia (UJES)
  • Víctor Chissingui Faculdade de Economia (UJES)
  • Osvaldo Pires Tchindundu Faculdade de Economia (UJES)
  • Bravo Agostinho Sakameia Faculdade de Economia (UJES)
Palavras-chave: Consumo das famílias, rendimento, taxa de juro, inflação e crédito

Resumo

O presente estudo procurou, com base a aplicação de um modelo de regressão linear múltipla e a matriz de correlação, avaliar, a influência das taxas de juro e de inflação no comportamento do consumo das famílias em Angola. Os dados utilizados neste estudo, foram séries temporais com frequência anual colhidos em sites das instituições especializadas na produção desse tipo de dados, como INE e BNA e correspondem ao período 2010-2017. Por via da regressão linear múltipla e com base nos métodos dos mínimos quadrados ordinários determinou-se os coeficientes da equação da regressão, já por via da matriz de correlação foi possível medir a intensidade da associação linear entre as variáveis. Os resultados evidenciaram uma relação positiva entre a variável explicada e as variáveis explicativas. Os resultados mostraram uma correlação positiva muito forte, a correlação negativa muito forte, a correlação positiva baixa. Também se constatou uma correlação positiva forte e uma correlação positiva moderada.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Abe, R. A. (2010). Consumo no Brasil: Quebras estruturais e suavização do Consumo. São Paulo.

Anderson, D. R., Sweeney, D. J., & Williams, T. A. (2011). Estatística aplicada à administração e economia 2ª ed. São Paulo: Cengage Learning.

Blanchard, O. (2007). Macroeconomics, fourth edition. tradução Cláuia Martins e Mônica Rosemberg. São Paulo: Pearson prentice Hall.

BNA. (2018). BAnco Nacional de Angola - Inflação. Luanda. Obtido em 10 de Setembro de 2018, de http://www.bna.ao

BNA. (2018). Boletím Estatístico Março 2018. Luanda. Obtido em 28 de Agosto de 2018, de http://www.bna.ao

Branson, W. H. (2001). Macroeconomia Teoria e Política. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.

Brue, S. L. (2006). História do Pensamento Econômico (Trad. Luciana Penteado Miquelino). São Paulo: Thomson Learning.

Carvalho, S. S., Santos, C. H., Almeida, V. A., Joel, Y. K., Paiva, K. C., & Caldas, L. F. (2016). O Consumo das Famílias no Brasil entre 2000 e 2013: Uma Análise Estrutural a Partir de Dados do Sistema de Contas Nacionais e da Pesquisa de Orçamentos Familiares. Rio de Janeiro, Brasil. Obtido de repositorio.ipea.gov.br

CEIC/UCAN. (2017). Relatório Económico de Angola 2016. Luanda. Obtido em 12 de Dezembro de 2017, de http://www.ucan.edu

Dalbosco, L., Dalbosco, E. Z., Paludo, N. J., & Foletto, P. R. (2015). MACROFUNDAMENTOS DE CONSUMO: uma abordagem das teorias do do comportamento do consumidor.

Duarte, D. A. (2014). Impacto da crise no consumo das famílias. Coimbra, Coimbra, Portugal.

Ferguson, C. E. (1999). Microeconomia, 20ª ed. Rio de Janeiro: Forense universitária.

Fonseca, J. S. (2010). Economia monetária e financeira. Coimbra.

Froyen, R. T. (2009). Macroeconomia 5ª ed. São Paulo: Saraiva.

Garcia, G. d. (1999 de 1999). A teoria da renda permanente: Um teste empírico. Rio de Janeiro.

Gil, A. C. (2002). Como elaborar projectos de pesquisa. 4ª ed. São Paulo: Atlas S.A.

Gil, A. C. (2008). Métodos e técnicas de Pesquisa Social 6ª ed. São Paulo: Atlas S.A.

Gomes, F. R. (26 de Setembro de 2011). Evolução do consumo no Brasil: da teoria à evidência empírica. Vitória, Espírito Santo, Brasil.

Governo de Angola. (2016). Linhas mestras para definição de uma estratégia para a saída da crise derivada da queda do preço do petróleo no mercado internacional. Luanda. Obtido em 15 de Setembro de 2017, de http://www.gov.ao

Gujarati, D. N., & Porter, D. C. (2011). Econometria Básica 5ª ed. São Paulo: AMGH Editora Ltda.

INE. (2014). Contas Nacionais de Angola 2007-2012. Luanda. Obtido em 14 de Outubro de 2016, de http://www.ine.gov.ao

INE. (2018). Contas nacionais anuias 2009-2016. Instituto Nacional de Estatística, Luanda. Obtido em 20 de Agosto de 2018, de http://www.ine.gov.ao

Instituto Nacional de Estatística. (2016). Inquérito de Indicadores Múltiplos e de Saúde (IIMS) 2015-2016. Luanda. Obtido em 17 de Dezembro de 2017, de http://www.ine.ao

Instituto Nacional de Estatística. (2017). Relatório Sobre Emprego. Inquérito de Indicadores Múltiplos e de Saúde, 2015-2016, Setembro de 2017 em www.ine.gov.ao . Luanda.

Instituto Nacional de Estatística. (2018). Nota de Imprensa. Contas Nacionais Anuais 2009-2016. Luanda. Obtido em Setembro de 2018, de http://www.ine.ao

Instituto Naconal de Estatística. (2016). Projecção da População da Província do Huambo 2014-2050. Luanda.

Lopes, L. M., & Vasconcellos, M. A. (2008). Macroeconomia Básico e Intermediário. São Paulo: Editora Atlas S.A.

Mankiw, N. G. (2009). Introdução à economia 3ª ed. São Paulo.

Mankiw, N. G. (2009). Macroeconomia 7ª ed. Cambrdge, Massachusetts.

MARCONI, M. A., & LAKATOS, E. M. (2003). Fundamentos de metodologia científica 5ª ed. São Paulo: Editora Atlas S.A.

Marconi, M. d., & Lakatos, E. M. (2003). Fundamentos de metodologia científica 5ª ed. São Paulo: Editora Atlas S.A.

Marconi, M. d., & Lakatos, E. M. (2003). Fundamentos de metodologia científica 5ª ed. São Paulo: Editora Atlas S.A.

Ministério das Finanças. (2017). Relatório de Fundamentação da Proposta do Orçamento Geral do Estado 2018 de http://www.minfin.gov.ao/PortalMinfin. Luanda.

Neri, M. C. (1990). Inflação e consumo: Modelos teóricos aplicados ao imediatopós-cruzado. 14º prêmio BNDES de economia 1990. Rio de Janeiro.

Oliveira, M. M., Santos, L. D., & Fortuna, N. (2011). Econometria. Lisboa: Escolar Editora.

Oreiro, F. D. (4 de Junho de 1999). Os microfundamentos de consumo: de Keynes até a versão moderna da teoria da renda permante. IV Encontro da Sociedade Brasileira de Economia Política, pp. 119-139.

R. D., S. F., & R. S. (2009). Macroeconomia 10 ed. americana. São Paulo Brasil: S.A. e C.V.

Renni, Y. S. (Março de 2014). A renda permanente explica o comportamento do consumidor Brasileiro?: Uma análise para o período 1996-2013.

Rocha, C. B., & Dias, M. H. (Junho de 2009). VARIAÇÕES NO PADRÃO DE CONSUMO DE ALIMENTOS NA ECONOMIA: uma análise do período 1987-2003. Brasil.

Samuelson, P. A., & Nordhaus, W. D. (2005). Economia 18ª ed. Lisboa, Lisboa, Portugal: McGraw-Hill.

Silva, J. M. (Julho de 1988). Função Consumo: Alguns Desenvolvimntos Recentes e Análise do caso Português. Lisboa, Lisboa, Portugal.

Silva, L. G. (2014). A influência da inflação no orçamento doméstico: Uma breve análise das Famílias assalariadas. Natal.

Vasconcellos, M. A. (2008). Economia Micro e Macro. 4ª ed. São Paulo: Atlas.
Publicado
2019-04-17
Como Citar
Cainda, M., Chissingui, V., Tchindundu, O., & Sakameia, B. (2019). A INFLUÊNCIA DAS TAXAS DE JURO E DE INFLAÇÃO NO COMPORTAMENTO DO CONSUMO: UMA ANÁLISE DO CONSUMO DAS FAMÍLIAS EM ANGOLA. Revista Órbita Pedagógica. ISSN 2409-0131, 6(2), 45-67. Obtido de http://revista.isced-hbo.ed.ao/rop/index.php/ROP/article/view/238
Secção
Artigos