A AUTONOMIA CURRICULAR DO PROFESSOR EM ANGOLA: DAS INTENÇÕES DECLARADAS ÀS PRÁTICAS ESPERADAS

  • António Luis Julião Universidade Katyavala Bwila
Palavras-chave: Autonomia curricular, Professor, Qualidade do Ensino

Resumo

A República de Angola vem conhecendo profundas mudanças em vários ângulos. No caso da educação, faz sentido repensar a escola como local estratégico de decisão curricular, de mudanças organizacionais e funcionais que permitem melhorar o ensino e adequar o sistema educativo aos imperativos modernos. Inserida nesta lógica, a publicação do Decreto Presidencial nº 160/18, de 3 de Julho, procura gerar, tacitamente, uma nova perspectiva de gestão curricular, consignando algumas margens de autonomia aos professores, como agentes curriculares, o que permitirá reforçar suas possibilidades. Só que, parece que continua a existir alguma dissonância entre as intenções expressas e o que acontece no terreno das práticas. Neste sentido, no presente artigo procuramos analisar a autonomia curricular do professor à luz do normativo referido, no sentido de averiguar se garante o sucesso educativo dos aprendentes. Para dar suporte à nossa análise, inspirada numa abordagem qualitativa, privilegiámos a recolha bibliográfica e a análise documental. Para elaborar o texto dialogamos com Roldão (1998, 2013), Pacheco (2000, 2001), Morgado (2000, 2011, 2016), Afonso (2014) e outros que discutem a autonomia curricular do professor. Aprofundando as leituras, os autores chamam à atenção para a necessidade de uma maior autonomia do professor, substancialmente fundada num processo colectivo de construção no contexto da escola. É que, embora legalmente seja conferida alguma autonomia aos professores, várias observações quotidianas e alguns relatos indiciam a existência de um certo desconhecimento dessa prerrogativa legal, pois, em múltiplos casos, os docentes limitam-se a cumprir o que lhes é central e curricularmente prescrito, em detrimento de uma tomada de decisões partilhadas, colocando em causa a qualidade do processo de ensino e aprendizagem perseguida em Angola.

PALAVRAS-CHAVE: Autonomia curricular; Professor; Qualidade do Ensino.

THE CURRICULAR AUTONOMY OF THE TEACHER IN ANGOLA: FROM INTENTIONS DECLARED TO EXPECTED PRACTICES

ABSTRACT

The Republic of Angola has been experiencing profound changes from various angles. In the case of education, it makes sense to rethink the school, as a strategic location from curricular decision, organizational change and functional that allow to improve teaching and to adapt the education system to the modern imperatives. Inserted in this logic, the publication of the Presidential Decree nº 160/18, of 3 July, seeks to generate, tacitly, a new perspective of curricular management, consigning some margins of autonomy to teachers, as agents, curriculum strengthen your role. Just, sounds like there is still some dissonance between the conditions laid down in the standard and what happens on the ground of the practices. In this sense, in this article we seek to review the curriculum of teacher autonomy in light of the standards referred to in order to find out if ensures educational success of learners. To support our analysis, inspired by a qualitative approach the bibliographic collection and document analysis. To elaborate the text banter back and forth with Roldão (1998, 2013), Pacheco (2000, 2001), Morgado (2000, 2011, 2016), Afonso (2014) and others who discuss curricular autonomy. Deepening the readings, the authors call attention to the need for a greater autonomy of the teacher, in a collective process founded substantially construction in the context of the school. Is that, although legally be granted some autonomy to teachers, several daily observations and some reports suggest the existence of a certain ignorance of this legal prerogative, because, in many cases, teachers are limited to comply with the central to them and prescribed curricularly, rather than a shared decision making, putting into question the quality of the teaching and learning process.

KEYWORDS: curriculum; teaching Autonomy; quality of teaching and learning.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia Autor

António Luis Julião, Universidade Katyavala Bwila

Mestrando em Desenvolvimento Curricular e Inovação Educativa. Universidade Katyavala Bwila. Benguela. Angola.

Referências

AFONSO, A. E. (2014). O papel do professor na (Re)Construção do Currículo do 1º Ciclo do Ensino Secundário em Angola: das intenções às práticas (Capítulo III Tese de Doutoramento). Universidade do Minho, Braga.
COUTINHO, C. P. (2011). Paradigmas, Metodologias e Métodos de Investigação. Lisboa: Almedina.
FREIRE, P. (1998). Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. 7ª Ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra.
FLORES, M. A.; Flores, M. (1998). O Professor Agente de Inovação Curricular. In José Augusto Pacheco, João Menelau Peraskeva e Ana Maria Silva (orgs.), Reflexão e Inovação Curricular. Actas do III Colóquio sobre Questões Curriculares. Braga: IEP/Universidade do Minho, pp.79-99.
GUERRA, M. S. (2000). A escola que aprende. Porto: Edições Asa (2000).
LEITE, C. (2003). Para uma escola Curricularmente inteligente. Porto: Edições Asa.
LIMA, Licínio. Organização escolar e democracia radical: Paulo Freire e a governação democrática da escola pública. São Paulo: Cortez; Instituto Paulo Freire, 2000. (Guia da escola cidadã, v.4).
MORGADO, J. (2000). A (des)construção da autonomia curricular. Lisboa: Edições ASA.
MARKONI, A. & Lakatos, E. (2003). Fundamentos de Metodologia Científica. 5ª ed. São Paulo: Editora Atlas S.A.
MACHADO, M. (2006). O Papel do Professor na Construção do Currículo (Dissertação apresentada para obtenção do grau de Mestre em Ciências da Educação). Instituto de Educação e Psicologia da Universidade do Minho, Braga.
MACHADO, R. F. (2008). Autonomia. In:. STRECK, Danilo R.; REDIN, Euclides; ZITKOSKI, Jaime José (org.). Dicionário Paulo Freire. Belo Horizonte: Autêntica.
PACHECO, J. (2001). Currículo: teoria e práxis. Porto: Porto Editora.
PACHECO, J. (2001). Tendências de descentralização das políticas curriculares. In José Augusto Pacheco (Org.), Políticas Educativas. O Neoliberalismo em Educação. Porto: Porto Editora, pp. 91-107.
SOUSA, F. (2010). Diferenciação curricular e deliberação docente. Porto: Porto Editora.
SANCHES, M. C. (2000). Da natureza e possibilidade da liderança colegial das escolas. In J. A. Costa, A. N. Mendes, A. Ventura (Org.), Liderança e estratégia nas organizações escolares (pp. 45- 64). Aveiro: Universidade de Aveiro.

REFERÊNCIAS LEGISLATIVAS E DOCUMENTOS CONSULTADOS

Decreto-Lei n.º 17/16, de 7 de Outubro – publicado no Boletim Oficial de Angola. I Série – n.º 170 – Cria os principios e as bases gerais do Sistema de Educação e Ensino.
Decreto Presidencial n.º 160/18, de 3 de Julho – publicado no Boletim Oficial de Angola. I Série – n.º 95 – Aprova o Estatuto dos Agentes de Educação.
MED (2003). Currículo da formação de professores. Editora INIDE.
MED (2009). Plano mestre de formação de professores em Angola. Luanda.
Publicado
2020-02-10
Como Citar
Julião, A. (2020). A AUTONOMIA CURRICULAR DO PROFESSOR EM ANGOLA: DAS INTENÇÕES DECLARADAS ÀS PRÁTICAS ESPERADAS. Revista Órbita Pedagógica. ISSN 2409-0131, 7(1), 01-16. Obtido de http://revista.isced-hbo.ed.ao/rop/index.php/ROP/article/view/244
Secção
Artigos