A EXTENSÃO DA MONODOCÊNCIA NO ENSINO PRIMÁRIO EM ANGOLA E A QUALIDADE DE ENSINO: CONTRIBUTOS PARA UMA REFLEXÃO CRÍTICA

  • António Luis Julião Universidade Katyavala Bwila
Palavras-chave: Monodocência; Professores; Qualidade de ensino.

Resumo

Este trabalho tem como título “A extensão da monodocência no ensino primário em Angola e a qualidade de ensino: contributos para uma reflexão crítica”. O mesmo objectiva apresentar uma reflexão crítica em torno da extensão da monodocência, enfocando as racionalidades que estiveram subjacentes na sua concepção e implementação, procurando gerar novas lentes de compreensão sobre o impacto desse processo complexo na qualidade do ensino. A educação em Angola, que trouxe significativas mudanças no trabalho docente, tem atravessado momentos pautados por avanços e retro­cessos de política educativa, que condicionaram sua evolução positiva e sua afirmação no cenário internacional e até mesmo regional. Nesse contexto, adopta-se como caminho metodológico a abordagem qualitativa e Socio-critica de pesquisa. Para a obtenção dos dados privilegiámos a recolha bibliográfica e a análise documental. Do ponto de vista de um olhar cirúrgico e com base às várias evidências que desfilam no corpo do texto, os dados apontam que, a extensão do regime da monodocência, que pretendida eficaz por impulso regulatório e por uma racionalidade centralizada está desadaptada, por um lado, porque impõe exigências curriculares a um professor formado monoliticamente, por outro porque a sua implementação antecipou-se à resolução de muitos problemas ligados à gestão. Não se tiveram em atenção as condicionantes basilares, como a formação séria do corpo docente e criação de infraestruturas, antes da implementação, e certos efeitos desse sistema, ainda estão por ocorrer, por causa da inobservância de outros pressupostos imprescindíveis, que sustentam as reformas educacionais bem sucedidas.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia Autor

António Luis Julião, Universidade Katyavala Bwila

Mestrando em Desenvolvimento Curricular e Inovação Educativa. Universidade Katyavala Bwila. Benguela. Angola.

Referências

Bordieu, P. (1992). A reprodução. Rio de Janeiro: Francisco Alves.
Diaz, B. (2002). Avaliação da qualidade nas escolas. Porto, Edições Asa.
Gomes, R. (1993). Culturas de Escola e Identidades dos Professores. Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação. Universidade de Lisboa. Educa Organizações.
INIDE (2009). Informação sobre a Implementação do Novo Sistema de educação. Reforma Educativa do Ensino Primário e Secundário. Inclui a Lei de bases e o Decreto de lei n.º 2/05. Ministério da Educação da República de Angola. Luanda: INIDE.
Isaías A.F.A. (2013). Monodocência nas 5.ª e 6.ª classes do Ensino Primário em Angola: a visão dos professores. Dissertação. Évora.
LBSE (2001). Lei De Bases Do Sistema Educativo. Lei n.º 13/01 de Dezembro. Luanda: Assembleia da República.
LBSE. (2016). Lei de Base do Sistema de Educação e Ensino Nº.17/16 de 7 de Outubro, Angola.
Leite, C. (2000), ‘‘Monodocência-Coadjuvação’’ em Gestão Curricular no 1º Ciclo. Encontro de Reflexão, Lisboa, Ministério da Educação, Departamento da Educação Básica, disponível em http://www.eb23-dr-sousa-martins.rcts.pt/monodocencia.pdf.
Mineiro, A.C. (2007). Valores e Ensino no Estado Novo. Análise dos Livros Únicos. Lisboa: Edições Sílabo.
Ministério da Educação (2001). Estratégia Integrada para a Melhoria do Sistema de Educação. Ministério da Educação e Cultura, Ministério do Planeamento e Secretariado do Conselho de Ministros. Luanda: Ministério da Educação e Cultura. 2001.
Ministério da Educação (2004). Relatório anual do Ministério da Educação. Luanda, 25 de Janeiro.
Ministério da Educação (2011). Relatório de balanço da Reforma Educativa. Etapa de Diagnóstico. Luanda, Angola.
Ministério da Educação. (2005). Decreto n. 2/05 de 14 de Janeiro “Plano de Implementação Progressiva do Novo Sistema da Educação.” 2005.
Morin, E. (2011). Introdução ao pensamento complexo. 4ªed. Porto Alegre: Sulina.
MPINDA, S. (2018). Reforma Educativa. Entrevista realizada no dia 22/11/2004. disponível em http://www.angonoticias.com/Artigos/item/2969/pinda-simao-satisfeito-com-a-construcao-de-um-instituto-em-ombadja: acessada aos 17 de Maio de 2018.
Perrenoud, P. (1999). ‘‘Profissionalização do professor e desenvolvimento de ciclos de aprendizagem’’, em Cadernos de Pesquisa, nº108, Faculdade de Psicologia e das Ciências da Educação, (7-26).
Pires, A. (2004). Qualidade: Sistema de gestão da qualidade. Lisboa, Edições Sílabo.
República de Angola. Lei Constitucional. Luanda: Imprensa Nacional, 10 de Fevereiro de 2010.
Samuels, M. (2011). Educação ou Instrução: A História do Ensino em Angola [1878-1914]. Luanda: Mayamba.
Teodoro, A. (1994). Políticas Educativas em Portugal. Educação, Desenvolvimento e Participação Política dos Professores, Lisboa, Bertrand Editora, Lda.
UNESCO (2011). Los países de América Latina y el Caribe adoptan la declaracion de Cochabamba sobre educacion. In: Anais da Oficina de informacion Pública para América Latina y Caribe. Disponível em: www.iesalc.org
Publicado
2019-09-22
Como Citar
Julião, A. (2019). A EXTENSÃO DA MONODOCÊNCIA NO ENSINO PRIMÁRIO EM ANGOLA E A QUALIDADE DE ENSINO: CONTRIBUTOS PARA UMA REFLEXÃO CRÍTICA. Revista Órbita Pedagógica. ISSN 2409-0131, 6(4), 143-156. Obtido de http://revista.isced-hbo.ed.ao/rop/index.php/ROP/article/view/245
Secção
Artigos