PROJECTOS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA: FACTOR DA QUALIDADE NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL E PROMOÇÃO DA IMAGEM DAS IES. ESTUDO REALIZADO NA ESCOLA SUPERIOR PEDAGÓGICA DO BENGO (ESPB)

  • Yanelixa Frutos López Escola Superior Pedagógica do Bengo
  • Victor João Morales Escola Superior Pedagógica do Bengo
  • Ma. del Carmen Navarrete Reyes Escola Superior Pedagógica do Bengo
Palavras-chave: Projecto de extensão, qualidade, formação

Resumo

Uma Instituição de Ensino Superior (IES) é avaliada em função da qualidade do perfil de saída dos seus estudantes e da sua eficiência na resolução de determinados problemas pessoais e sociais. Contudo, a questão da qualidade no ensino superior foi moderadamente motivada pela preocupação dos governos com a relação entre o investimento económico, neste nível de ensino, e o sucesso escolar. A extensão universitária figura-se como ferramenta imprescindível que as universidades dispõem para garantir a qualidade na formação profissional dos estudantes, proporcionando, deste modo, uma oportunidade a mais de inserção na realidade, que encontrará quando se tornar um profissional, pois, articula o ensino e a pesquisa na resolução de problemas sociais. A pesquisa enquadra-se no modelo de abordagem qualitativo, realizou-se um estudo de caso ao projecto de extensão universitária da ESPB, intitulado: Orientação às Famílias de Crianças com Necessidades Educativas Especiais, com o objectivo de demonstrar a qualidade da formação dos estudantes como garantia do capital humano e promoção da imagem da IES. Os resultados obtidos revelaram que os projectos de extensão universitária caracterizam-se como uma das vias pelas quais se realiza a extensão universitária, concedendo especial relevância à construção da cidadania, buscando superar as diferenças sociais e contribuindo com suas acções para se efectivarem políticas inclusivas. As suas acções buscam contribuir para a formação científica e cívicade estudantes, professores, funcionários e comunidade em geral, promovendo um diálogo de saberes: académico e popular.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Escola Superior Pedagógica do Bengo (2015). Regulamento de extensão universitária. ESPB.

Fernandes, M. C. e outros. (2012). Universidade e a extensão universitária: a visão dos moradores das comunidades circunvizinhas. Educação em Revista. (04) 169-193.

Ima-Panzo, J. B. (2018). Extensão Universitária em Angola. Tendências, acções e projecções. Angola: Mayamba editora.

Leyva, F. M. (2010). Manual de Psicopedagogía. Editora: Habana. Cuba

Lima, C. L. D. C. O. (2003). Papel da extensão na universidade.Leopoldianum, (n. 78) 11-38.

Portes, M. R., Ananias, S. P. e Teixeira, H. A. (s.d). Ensino do Empreendedorismo e Extensão Universitária: uma política pedagógicaarticulada. Brasil.

Rodrigues, A. L. et al. (2013). Contribuições da extensão universitária na sociedade.Brasil: Aracaju.

Síveres, L. (2013). A extensão universitária como um princípio de aprendizagem. Brasil: Brasília-DF.

UNESCO (1998). Declaração Mundial de Educação Superior no século XXI: visão e acção. Paris.

Zassala, C. (2017). Iniciação à pesquisa científica. Angola: Mayamba editora.
Publicado
2019-05-20
Como Citar
López, Y., Morales, V., & Reyes, M. del. (2019). PROJECTOS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA: FACTOR DA QUALIDADE NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL E PROMOÇÃO DA IMAGEM DAS IES. ESTUDO REALIZADO NA ESCOLA SUPERIOR PEDAGÓGICA DO BENGO (ESPB). Revista Órbita Pedagógica, 6(3), 29-38. Obtido de http://revista.isced-hbo.ed.ao/rop/index.php/ROP/article/view/254
Secção
Artigos