PERFIL DE ENTRADA DOS ESTUDANTES DO CURSO DE BIOLOGIA 2018 DO ISCED-HUAMBO

  • Delfina Dunn João Instituto Superior de Ciências de Educação do Huambo
  • Júlia Nazaré de Campos Instituto Superior de Ciências de Educação do Huambo
Palavras-chave: Ensino da Biologia, potencialidades cognoscitivas, perfil de entrada

Resumo

O desempenho dos estudantes no Ensino Superior depende das aptidões que estes trazem do II Ciclo do Ensino Secundário sobre conteúdos básicos de disciplinas nucleares dos cursos que frequentam. O presente artigo tem como objectivo identificar as potencialidades cognoscitivas dos estudantes do 1º ano do curso de Biologia do ISCED – Huambo/2018. Realizou-se uma pesquisa exploratória, com revisão bibliográfica, foi aplicado um questionário com perguntas abertas e fechadas, tendo como foco o conhecimento sobre os conceitos básicos, a capacidade de observação, interpretação e análise dos fenómenos biológicos. A amostra de 25% da população estudantil foi escolhida de forma aleatória. Da análise feita às respostas ao questionário concluiu-se que os estudantes têm conhecimentos científicos que lhes permitem ter sucesso no curso que frequentam, contudo revelam uma fragilidade na capacidade de relacionar estes conceitos à observação, interpretação e análise, quando submetidos a questões de raciocínio.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Amaral, V. L. (2007). Psicologia da educação. Rio Grande-Brasil.

António, A. J. (2008). Metodologia do Ensino da Biologia. Luanda-Angola: Texto Editora.

Beber, B., Silva, E., & Bonfiglio, S. U. (2014). Metagognição como processo da aprendizagem. Revista Psicopedagógica , pp. 145-147.

Becker, F. (1995). Epistemologia do Professor. São Paulo: Cortez.

Coelho, C. L., & Correa, J. (2017). Compreensão de leitura: Habilidades cognitivas e tipos de texto. Psico, Porto Alegre.

Instituto Nacional de Estatística-INE. (2016). Resultados Definitivos do Recenseamento Geral da População e da Habitação de Angola-2014. Luanda- Angola: INE.

Libâneo, J. C. (Dezembro de 2004). A didática e a aprendizagem do pensar e do aprender: a Teoria Histórico-cultural da Atividade e a contribuição de Vasili Davydov . Revista Brasileira de Educação , pp. 6-7.

Ministério do Planeamento e do Desenvolvimento Territorial. (2015). Relatório sobre os Objectivos do Desenvolvimento do Milénio 2015. Luanda, Angola.

Mota, J. G. (2017). Aplicação de uma Sequência no Ensino da Biologia. Fortaleza.

Nacional-EP, I. (29 de Janeiro de 2018). Estatuto Orgânico do Ministério da Acção Social, Família e Promoção da Mulher. Diário da República de Angola , 182.

Ovigli, D. F., & Bertucci, M. C. (31 de Julho de 2009). A formação para o ensino de ciências naturais nos currículos de pedagogia das instituições públicas de ensino superior paulistas . Ciência & Cognição , pp. 194-195.

Santos, W. L. (Set/Dez de 2007). Educação Científica na Perspectiva de Letramento como Pratica Social: funções, príncipios e desafios. Revista Brasileira de Educação , 12, p. 484.

Silva, M. (2005). Encontros e Caminhos: Formação de educadoras (es) ambientais e colectivos educadores. Brasília.

Silva, T. G. (s/d). A Didática das Ciências e Seus Processos Cognitivos Para o Ensino Aprendizagem. Didática e Prática de Ensino na relação com a Escola , pp. 211-215.
Publicado
2019-05-20
Como Citar
João, D., & de Campos, J. (2019). PERFIL DE ENTRADA DOS ESTUDANTES DO CURSO DE BIOLOGIA 2018 DO ISCED-HUAMBO. Revista Órbita Pedagógica, 6(3), 91-102. Obtido de http://revista.isced-hbo.ed.ao/rop/index.php/ROP/article/view/259
Secção
Artigos